‘A prática, porém, encarregar-se-ia de desbloquear a situação’: Cinema e antropologia a partir da obra visual de Ruy Duarte de Carvalho

Palavras-chave: Ruy Duarte de Carvalho, Angola, cinema, antropologia, filme etnográfico

Resumo

Reconhecido maioritariamente pelo seu talento literário, Ruy Duarte de Carvalho produziu, nas décadas de 70 e 80, uma vasta e fecunda obra cinematográfica cuja originalidade e complexidade permanecem largamente por investigar. A partir da revisitação da sua filmografia, em particular da série documental Presente Angolano, Tempo Mumuíla (1979) e da ficção Nelisita (1982), bem como através da análise das reflexões encetadas pelo autor no ensaio O Camarada e a Câmara (1984), o presente artigo procura contribuir para a discussão teórica em torno das possibilidades de um encontro entre cinema e antropologia para além do filme etnográfico.

Referências

Abrantes, José Mena. 1986. Cinema Angolano. Um Passado a Merecer Melhor Presente. Luanda: IAC/ Cinemateca Nacional.

__________. 2015. “Cinema Angolano: Um Passado com o Futuro sempre Adiado”. Em Angola, o Nascimento de uma Nação. O Cinema da Independência., editado por Maria do Carmo Piçarra e Jorge António, pp. 15-46. Lisboa: Guerra e Paz, Editores, S.A.

Abrantes, José Mena, e Matos-Cruz, José de. 2002. Cinema em Angola. Luanda: Edições Chá de Caxinde.

Amaral, Ana Rita. 2006. “Sobre Sem Rede: Ruy Duarte de Carvalho – trajectos e derivas”. Etnográfica 10(1): 195-198.

Barros, António Augusto. 2006. “Ao partir palavras – notas para um outro tempo de escuta”. Setepalcos 5 (Julho): 56-63.

Basto, Maria Benedita. 2019. “Escritas e imagens para uma epistemologia nómada. Ruy Duarte de Carvalho e James C. Scott entre resistências subalternas, oralidades e cinema não etnográfico”. Em Diálogos com Ruy Duarte de Carvalho, editado por Marta Lança, pp. 111-134. Lisboa: BUALA – Associação Cultural e Centro de Estudos Comparatistas (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa).

Cádima, Francisco R. N. 2016. “Televisão e Império: Sobre a inexistência de emissões da RTP nas províncias ultramarinas portuguesas”. Media & Jornalismo XVI (29): 83-91.

Carvalho, Ruy Duarte de. 1984. O Camarada e a Câmara. Cinema e Antropologia para Além do Filme Etnográfico. Luanda: INALD.

__________. 1985. Nelisita: Argumento do Filme. Luanda: União dos Escritores Angolanos.

__________. 1997a. A Câmara, a Escrita e a Coisa Dita. Luanda: Instituto Nacional do Livro e do Disco.

__________. 1997b. Aviso à Navegação: Olhar Sucinto e Preliminar sobre os Pastores Kuvale da Província do Namibe com um Relance sobre as Outras Sociedades Agropastoris do Sudoeste de Angola. Luanda: INALD.

__________. 1999. Vou lá Visitar Pastores: Exploração Epistolar de um Percurso Angolano em Território Kuvale (1992-1997). Lisboa: Cotovia.

__________. 2002. Os Kuvale na História, nas Guerras e nas Crises. Artigos e Comunicações (1994-2001). Luanda: Editorial Nzila.

__________. 2004a. “Em quem pensa quem ‘responde’ pelos Kuvale?”. Cadernos de Estudos Africanos 5/6 (Junho): 197-208.

__________. 2008. A Câmara, a Escrita e a Coisa Dita... Fitas, Textos e Palestras. Lisboa: Cotovia.

Cordeiro, Ana Dias. 2010. “A obra deste escritor também é cinema”. Ípsilon, 10 de Novembro de 2010.

Dias, Inês Cordeiro. 2019. “A câmara e a nação: a criação de um país nos filmes de Ruy Duarte de Carvalho”. Em Diálogos com Ruy Duarte de Carvalho, editado por Marta Lança, pp. 153-164. Lisboa: BUALA – Associação Cultural e Centro de Estudos Comparatistas (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa).

Estermann, Carlos. 1961. Etnografia do Sudoeste de Angola. O Grupo Étnico Herero. Vol. III. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar.

__________. 1971. Cinquenta Contos Bantos do Sudoeste de Angola: Texto Bilingue com Introdução e Comentários. Luanda: Instituto de Investigação Científica de Angola.

Fischgold, Christian. 2019. “Presente Angolano, Tempo Mumuíla: para além do filme etnográfico”. ITINERÁRIOS–Revista de Literatura 49: 63-78.

Lança, Marta. 2019. “Foi a partir do cinema que me tornei antropólogo”. Em Diálogos com Ruy Duarte de Carvalho, editado por Marta Lança, pp. 138-152. Lisboa: BUALA – Associação Cultural e Centro de Estudos Comparatistas (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa).

Levin, Tatiana. 2015. “Dos filmes dos pioneiros aos ‘realizadores da poeira’: que cinema angolano?” Em Angola, o Nascimento de uma Nação. O Cinema da Independência, editado por Maria do Carmo Piçarra e Jorge António, pp. 75-100. Lisboa: Guerra e Paz, Editores, S.A.

Lopes, Rui Guilherme. 2006. “Eu digo que te vais lá visitar, entre os pastores”. Setepalcos 5 (Julho): 54-55.

Maxwell, Kenneth. 2005. “Os Estados Unidos e a descolonização portuguesa (1974-1976)”. Relações Internacionais 8 (Dezembro): 5-37.

Monteiro, João Gouveia. 2006. “Ruy Duarte de Carvalho na VII Semana Cultural da Universidade de Coimbra”. Setepalcos 5 (Julho): 4-5.

Moorman, Marissa. 2018. “Estado, nação, arquivo: três curtas de Ruy Duarte de Carvalho”. Em A Colecção Colonial da Cinemateca. Campo, Contracampo, Fora-de-campo, editado por Maria do Carmo Piçarra, pp. 108-117. Lisboa: Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema e Aleph – Rede de acção e investigação crítica da imagem colonial.

Nicolau, Teresa. 2006. “A utopia da identidade no cinema de Ruy Duarte de Carvalho”. Setepalcos 5 (Julho): 44-47.

Piçarra, Maria do Carmo. 2015. “Ruy Duarte: um ‘cinema de urgência’ para resgatar Angola do ‘hemisfério do observado’”. Em Angola, o Nascimento de uma Nação. O Cinema da Independência, editado por Maria do Carmo Piçarra e Jorge António, pp. 101-137. Lisboa: Guerra e Paz, Editores, S.A.

Pimentel, Joana. 2013. “Imagens de Angola colonial na colecção da Cinemateca Portuguesa”. Em Angola, o Nascimento de Uma Nação. O Cinema da Libertação, editado por Maria do Carmo Piçarra e Jorge António. Vol. II, pp. 109-140. Lisboa: Guerra e Paz, Editores, S.A.

Pinto, António Costa. 2001. O Fim do Império Português: A Cena Internacional, a Guerra Colonial, e a Descolonização, 1961-1975. Lisboa: Livros Horizonte.

Ponte, Inês. 2019. “Conhecer e animar o arquivo de RDC: processos e resultados a partir de uma inventariação”. Em Diálogos com Ruy Duarte de Carvalho, pp. 185-208. Lisboa: BUALA – Associação Cultural e Centro de Estudos Comparatistas (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa).

__________. 2021. “An Angolan vernacular-language fiction film as para-ethnographic film: Nationalism and the evolving politics of film circulation and reception”. History and Anthropology, 32(5): 596-616.

Predal, René. 1982. Jean Rouch, un griot gaulois. Paris: L’Harmattan.

Sá, Tiago M.V. Moreira de. 2011. “O Amigo Inconveniente. Os Estados Unidos, a África do Sul e a Descolonização de Angola”. Em O Fracasso da Operação Savannah (Angola-1975), editado por Miguel Júnior, pp. 20-40. Luanda: Mayamba.

Sampaio, Sofia. 2018. “O que sobrou: materialidade e colonialismo numa coleção de imagens em movimento”. Mana XXIV (3): 247–276. https://doi.org/10.1590/1678-49442018v24n3p247

Publicado
2022-07-05
Secção
Dossier Temático