A Questão do Figural na Teoria Contemporânea do Cinema Vista a Partir de Jean-François Lyotard

Palavras-chave: Figural, figura, representação, teoria do cinema, Jean-François Lyotard

Resumo

Este artigo examina de que modo o conceito de figural, segundo o desenvolvimento dado por Jean-François Lyotard, está presente na teoria contemporânea do cinema. A partir de uma recapitulação sintética da conceituação do figural feita por Lyotard na obra Discours, figure (1973), o artigo descreve como se configura o interesse de Jacques Aumont na possibilidade da imagem pensar; o de Nicole Brenez na autonomia da imagem em relação à realidade; o de Philippe Dubois em fazer uma tipologia de instâncias de sentido da imagem; o de D.N. Rodowick no figural como conceito historiográfico; o de Jacques Rancière na natureza da narrativa cinematográfica; e o de Fernão Pessoa Ramos em uma modalidade particular da encenação documentária. Complementam a exposição teórica exemplos de análises fílmicas que tanto dialogam com os problemas levantados pela teoria do figural quanto derivam, abertamente, das possibilidades para o pensamento da imagem fílmica trazidas pelo conceito.

Referências

Auerbach, Erich. 1984. Scenes from the Drama of European Literature. Minneapolis: University of Minnesota Press.

Aumont, Jacques. 1996. À quoi pensent les films? Paris: Séguier.

Brenez, Nicole. 1998. De la figure en général et du corps en particulier: l’invention figurative au cinéma. Bruxelas: De Boeck Université.

Damasceno, Diego P. 2021. A Questão do Figural na Teoria do Cinema. Tese de doutorado. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes.

Deleuze, Gilles. 2002. Francis Bacon – Logique de la sensation. Paris: Seuil.

Dubois, Philippe. 1998. “La tempête et la matière-temps, ou le sublime et le figural dans l’oeuvre de Jean Epstein”. Em Jean Epstein, cinéaste, poète, philosophe, editado por Jacques Aumont, 267-323. Paris: Cinémathèque Française.

__________. 1999. “L’écriture figurale dans le cinéma muet des années 20”. Em Figure, figural, editado por François Aubral e Dominique Château. 245-258. Paris: L’Harmattan.

__________. 2004. “La question du figural”. Em Cinéma/Arts Plastiques, editado por Pierre Taminiaux e Claude Murcia, 51-76. Paris: L'Harmattan.

Freud, Sigmund. 2010. “O inquietante”. em Freud – Obras completas, v. 14 – O Homem dos Lobos, tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Cia das Letras. [Edição do Kindle]

__________. 2018. A Interpretação dos Sonhos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Jones, Graham e Woodward, Ashley. 2017. Acinemas: Lyotard’s Film Philosophy. Edinburgh: Edinburgh University Press.

Lydon, Mary. 2001. “Veduta on ʻDiscours, figureʼ.” Yale French Studies 99: 10-26, https://doi.org/10.2307/2903240.

Lyotard, Jean-François. 2002. Discours, figure. Paris: Éditions Klincksieck.

__________. 2005. “O acinema”. Em Teoria Contemporânea do Cinema: pós-estruturalismo e filosofia analítica, editado por Fernão Pessoa Ramos, 219-231. São Paulo: Senac.

Martin, Adrian. 2012. Last Day Every Day: Figural thinking from Auerbach and Kracauer to Agamben and Brenez. Santa Barbara: Punctum Books.

Merleau-Ponty, Maurice. 1948. Sens et non-sens. Paris : Nagel.

__________.1964. Le visible et l’invisible. Paris: Gallimard.

Ramos, Fernão Pessoa. 2012. A Imagem-Câmera. Campinas: Papirus. [Edição do Kindle]

__________. 2013. Mas Afinal... O Que É Mesmo Documentário? São Paulo: Senac.

__________. 2014. “What is documentary mise-en-scène? Coutinho’s mannerism and Salle’s ‘mauvaise conscience.’” Studies in Documentary Film 2(8): 143-155, https://doi.org/10.1080/17503280.2014.908495.

__________. 2018. “Ensaio sobre a a-encenação no filme documentário.” Aniki: Revista Portuguesa da Imagem em Movimento 5(2): 236-256, https://doi.org/10.14591/aniki.v5n2.372.

Rancière, Jacques. 2001. La fable cinématographique. Paris: Éditions du Seuil.

__________. 2009a. A Partilha do Sensível: Estética e Política. São Paulo: Editora 34.

__________. 2009b. O Inconsciente Estético. São Paulo: Editora 34.

Rodowick, D.N. 2001. Reading the Figural, or, Philosophy After the New Media. Durham: Duke University Press.

Publicado
2022-07-05