O corpo que resta:

Energia negativa no cinema de Pedro Costa

  • Eduardo Brandão Pinto Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Comunicação, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura, 22290-240, Rio de Janeiro.
Palavras-chave: Pedro Costa, corpo, energia negativa, cinema e filosofia

Resumo

O cinema de Pedro Costa é atravessado pelas figuras humanas, como Vanda Duarte e Ventura, que emergem em uma tensão entre corpo, olhar e imagem. Neste ensaio, reconhecemos a aparição dessas corporeidades, sempre sob um permanente status nascendi a destituir a implantação de um estatuto que as identifique como personagens ou sujeitos. Para isso, discutimos a carnalidade como aquilo que é tramado por energias negativas a instituírem uma forma de subjetividade sem sujeitos. Buscando homologias entre imagem cinematográfica e filosofia – em conexão com o pensamento do filósofo brasileiro Vladimir Safatle – reconhecemos o negativo como categoria estética central, com que se produz uma imagem proletária, altamente magnetizada por um poder de revolta.

Biografia Autor

Eduardo Brandão Pinto, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Comunicação, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura, 22290-240, Rio de Janeiro.
Eduardo Brandão Pinto é pesquisador, cineasta e professor de cinema. Formado em Cinema na Universidade Federal Fluminense e Mestre em Artes da Cena pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é atualmente doutorando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura desta mesma universidade. Dirigiu curtas-metragens, entre eles Vazio do lado de fora (2017, 22'), que fez parte da Seleção Oficial Cinéfondation do Festival de Cannes 2017.
Publicado
2020-07-14