Dinâmicas de espaço do road movie da década de 70: Richard C. Sarafian, Monte Hellman e Terrence Malick

Filipa Rosário

Resumo


Vanishing Point (Richard C. Sarafian, 1971), Two-lane Blacktop (Monte Hellmann, 1971) e Badlands (Terrence Malick, 1973) são road movies que integram viagens distintas mas que, a dado momento, se assemelham. Fazem-no por via dos seus heróis, que agem como peregrinos não-místicos para quem a viagem surge como um destino em si, mesmo se revestida de perseguição, corrida de automóvel ou fuga à autoridade. Num género cinematográfico que se edifica a partir do elemento espacial, a vivência da estrada estrutura a narrativa, filme a filme. Desta forma, o momento em que a viagem perde o seu sentido teleológico adquire uma relevância acrescida, permitindo compreender com uma outra profundidade as dinâmica de espaço do género.

Neste ensaio, analisarei comparativamente o modo através do qual personagens e realizadores se relacionam com o cenário/paisagem, no sentido de identificar constrangimentos ideológicos em relação ao espaço, constrangimentos esses que o road movie parece num primeiro momento ocultar. Easy Rider (Dennis Hopper, 1969) será uma presença transversal no texto uma vez que, enquanto fundador do género, fixou a lógica interna deste.


Palavras-chave


Road movie; espaço: Richard C. Sarafian; Monte Hellman; Terrence Malick

Texto Completo: PDF HTML



Esta revista é publicada pela AIM - Associação de Investigadores da Imagem em Movimento com o apoio do IHC - Instituto de História Contemporânea (FCSH-UNL) | Os textos aqui publicados têm uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional | Design: Bloco D | ISSN 2183-1750

Indexação: Latindex, ERIH/European Science Foundation, RCAAP, DOAJ, Crossref | CAPES/WebQualis: A2