Um saber montado: Georges Didi-Huberman a montar imagem e tempo

  • Daniela Queiroz Campos École des Hautes Études en Sciences Sociales, 75006 Paris
Palavras-chave: Montagem, Imagem, Georges Didi-Huberman

Resumo

O presente artigo aborda a perspectiva da montagem na obra do historiador da arte e filósofo francês Georges Didi-Huberman. Sua sólida e grande obra insiste na imagem como verídico problema e na necessidade do pesquisador em saber olhá-la, para tal acredita que devemos colocá-las em relação. Colocá-las uma ao lado das outras, pois imagens não falam de forma isolada.  Esse conhecimento por montagem insistido por Didi-Huberman têm sólidas bases teóricas. Neste breve artigo buscou-se problematizar a perspectivas teórica da montagem didi-hubermaniana através dos escritos e das teorias acerca da montagem de três grandes intelectuais: Walter Benjamin, Aby Warburg e Serguei Eisenstein. Para tais, a montagem e a desmontagem são de singular relevância na concepção de imagem e tempo.

Biografia Autor

Daniela Queiroz Campos, École des Hautes Études en Sciences Sociales, 75006 Paris

Daniela Quiroz Campos é pós-doutoranda pelo Centre de Théorie et Histoire de l’Arte da École des Hautes Études en Sciences Sociales sob a supervisão de Georges Didi-Huberman e com bolsa consentida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnologia CNPq/Brasil. É doutora em História Cultural pela Universidade Federal de Santa Catarina e mestre em História Ibero-Americana pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Publicado
2017-05-08