Olhar o céu, ouvir a terra: anotações sobre corpo, memória e paisagem no cinema de James Benning e de Cao Guimarães

Ana Costa Ribeiro

Resumo


Através da abordagem de quatro filmes, a autora ressalta a importância das poéticas do deslocamento nas relações entre corpo, memória e paisagem. Seguindo o pensamento dos filósofos franceses Gilles Tiberghien e Anne Cauquelin, a paisagem é pensada como um meio ambiente físico que faz surgir uma relação. A ideia da paisagem como uma relação permite um avanço para uma reflexão que se desenvolve no texto através da noção de vestígio. Baseada no pensamento do filósofo Emmanuel Lévinas sobre esse conceito, abordam-se dois trabalhos do artista norte-americano James Benning e outros tantos do artista brasileiro Cao Guimarães. Desse modo, identifica-se, na organização de vestígios, uma tendência recorrente na produção audiovisual contemporânea.

Palavras-chave


Poética; Deslocamento; Corpo; Memória; Paisagem

Texto Completo: PDF



Esta revista é publicada pela AIM - Associação de Investigadores da Imagem em Movimento com o apoio do IHC - Instituto de História Contemporânea (FCSH-UNL) | Os textos aqui publicados têm uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional | Design: Bloco D | ISSN 2183-1750

Indexação: Latindex, ERIH/European Science Foundation, RCAAP, DOAJ, Crossref | CAPES/WebQualis: A2