Som e Fúria no Cinema Brasileiro: Cultura e política desde Pernambuco

Palavras-chave: Cinema, cultura, política, Pernambuco, Kleber Mendonça Filho

Resumo

Este ensaio busca evidenciar as disposições políticas do cinema de Kleber Mendonça Filho a partir de seus três longas-metragens de ficção, O som ao redor (2012), Aquarius (2016) e Bacurau (2019), de maneira a apontar a qualidade dos encontros e desencontros de sua obra com a realidade socio-histórica brasileira, especialmente na última década, período marcado pelos protestos massivos de 2013, pela deposição da presidenta Dilma Rousseff (2016) e pela eleição de Jair Bolsonaro (2018). Para tanto, situa Kleber Mendonça como parte da cena contemporânea de cinema de Pernambuco e propõe uma abordagem analítica que articula fatores estéticos e extraestéticos de modo simultâneo. Conclui que essa tríade fílmica, ainda que constituída por formas de prática paradoxais, é uma importante contribuição para pensar o Brasil, a sua história recente e a relação existente entre cultura, política e sociedade. 

Referências

Agamben, Giorgio. 2009. “O que é o contemporâneo?.” Em O que é o contemporâneo? E outros ensaios, traduzido por Vinícios N. Honesco, 55-73. Chapecó: Argos.

Angelo, Tiago e Calegari, Luiza. 2021. “Fachin anula condenações de Lula e desloca processos para Brasília.” Conjur, 8 de março de 2021. https://www.conjur.com.br/2021-mar-08/fachin-declara-vara-curitiba-incompetente-julgar-lula.

Araujo, Inácio. 2019. “Réplica: críticos dizem que ‘Bacurau’ é um filme de propaganda; e daí?” Folha de S. Paulo, 16 de setembro de 2019. https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2019/09/criticos-dizem-que-bacurau-e-um-filme-de-propaganda-e-dai.shtml.

Araújo, Beatriz B. M. 2013. “Crítica de Kléber Mendonça Filho incomoda executivo da gigante Globo Filmes.” Jornal do Commercio, 22 de fevereiro de 2018. https://jc.ne10.uol.com.br/canal/cultura/cinema/noticia/2013/02/22/critica-de-kleber-mendonca-filho-incomoda-executivo-da-gigante-globo-filmes-74261.php.

Araújo, Luciana. 1997. A Crônica de cinema no Recife dos anos 50. Recife: Fundarpe.

Azerêdo, Genilda. 2020. “Kleber Mendonça e a ciranda de todos nós: Configurações espaciais e resistência.” Significação: Revista de cultura audiovisual 47(53): 265-277. https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2020.148910.

Barros, Isabelle. 2017. “Jornalista e fotógrafa Ana Farache será nova gestora do cinema da Fundação.” Diário de Pernambuco, 16 de janeiro de 2017. https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/viver/2017/01/jornalista-e-fotografa-ana-farache-sera-nova-gestora-do-cinema-da-fund.html.

Bentes, Ivana. 2019. “Bacurau e a síntese do Brasil brutal.” Cult, 29 de agosto de 2019. https://revistacult.uol.com.br/home/bacurau-kleber-mendonca-filho/.

Bernardet, Lucila. 1970. O cinema Pernambucano de 1922 à 1931: Primeira abordagem. Dissertação de mestrado. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

Boschetti, Ivanete. org. 2018. Expropriação e direitos no capitalismo. São Paulo: Cortez.

Bourdieu, Pierre. 1996. As regras da arte: Gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras.

Cândido, Antônio. 1984. “A revolução de 1930 e a cultura.” Novos Estudos Cebrap 2(4): 27-36. https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4332357/mod_resource/content/1/ANTONIOCANDIDO_Revolucaode30eaCultura.pdf.

Cavalcante, Sávio. 2020. “Classe média e ameaça neofascista no Brasil de Bolsonaro.” Crítica Marxista 50: 121-130. https://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/dossie2020_05_26_14_14_34.pdf.

Costa, Mannuela R. 2017. Cinema Brasileiro independente no contexto contemporâneo: Entre a ficção e a realidade. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Cunha Filho, Paulo C. 2010. A utopia provinciana: Recife, cinema, melancolia. Recife, UFPE: Editora Universitária.

Falcão, Márcio e Vivas, Fernanda. 2021. “Cármen Lúcia muda voto, e 2ª turma do STF declara que Moro foi parcial ao condenar Lula.” G1, 23 de março de 2021. https://g1.globo.com/politica/noticia/2021/03/23/carmen-lucia-muda-voto-e-2a-turma-do-stf-declara-que-moro-foi-parcial-ao-condenar-lula.ghtml.

Fernandes, Eduarda. 2017. “Ministério Público abre inquérito contra cineasta Pernambucano Kleber Mendonça Filho.” Diário de Pernambuco, 20 fevereiro de 2017. https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/viver/2017/02/mpf-inquerito-kleber-mendonca-filho.html.

Figueirôa, Alexandre. 2000. Cinema Pernambucano: Uma história em ciclos. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife.

Folha de S. Paulo. 2012. “‘O som ao redor’ é um dos 10 melhores filmes do ano, segundo o ‘New York Times’.” Folha de S. Paulo, 15 dezembro de 2012. https://m.folha.uol.com.br/ilustrada/2012/12/1202011-o-som-ao-redor-e-um-dos-dez-melhores-filmes-do-ano-segundo-o-new-york-times.shtml.

França, Andréa. 2003. Terras e fronteiras no cinema político contemporâneo. Rio de Janeiro: 7 Letras.

Genestreti, Guilherme. 2016. “Comissão brasileira do Oscar nega partidarização em escolha de indicação.” Folha de S. Paulo, 19 agosto de 2016. https://www1.folha.uol.com.br/paywall/login.shtml?https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/08/1804520-comissao-brasileira-do-oscar-nega-partidarizacao-em-escolha-de-indicacao.shtml.

Guimarães, Cátia. 2020. “Covid-19: Especialistas falam sobre políticas de proteção social.” Agência Fiocruz de Notícias, 27 de maio de 2020. https://agencia.fiocruz.br/covid-19-especialistas-falam-sobre-politicas-de-protecao-social.

Harvey, David. 2020. “O ‘novo’ imperialismo: Acumulação por desposessão.” Em Os sentidos do Mundo: Textos essenciais, traduzido por Artur Renzo, 281-311. São Paulo: Boitempo.

Hermsdorff, Renato. 2016. “Aquarius: ‘Eu não tenho o menor interesse em fazer filmes «de arte»’, diz diretor.” Adoro Cinema, 2 de setembro de 2016 https://www.adorocinema.com/noticias/filmes/noticia-124170/.

Ikeda, Marcelo G. 2011. O modelo das leis de incentivo fiscal e as políticas públicas cinematográficas a partir da década de noventa. Dissertação de mestrado. Niterói: Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação em Comunicação.

Jameson, Fredric. 1997. “A lógica cultural do capitalismo tardio.” Em: Pós-modernismo: A lógica cultural do capitalismo tardio, traduzido por Maria Elisa Cevasco, 27-79. São Paulo: Editora Ática.

__________. 2021. “Estética hoje.” Zero à esquerda, 11 fevereiro de 2021. https://zeroaesquerda.com.br/index.php/2021/02/11/estetica-hoje-fredric-jameson.

Jansen, Roberta. 2016. “‘Houve retaliação a ‘Aquarius’, diz Kleber Mendonça Filho Sobre Oscar.” G1, 20 de setembro de 2016. http://g1.globo.com/pop-arte/cinema/noticia/2016/09/houve-retaliacao-aquarius-diz-kleber-mendonca-filho-sobre-oscar.html.

Kliass, Paulo. 2021. “Brasil mergulha no fosso da desigualdade.” Outras palavras, 15 de junho de 2021. https://outraspalavras.net/desigualdades-mundo/brasil-mergulha-no-fosso-da-desigualdade/.

Marques, Mariana R. s.d. “O que podemos esperar de Bacurau, filme de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles?” Instituto de cinema. https://institutodecinema.com.br/mais/conteudo/o-que-podemos-esperar-de-bacurau-filme-de-kleber-mendonca-filho-e-juliano-dornelles.

Marson, Melina I. 2009. Cinema e políticas de Estado: Da Embrafilme à Ancine. São Paulo: Escrituras Editora.

Martuscelli, Danilo E. 2020. “Polêmicas sobre a definição do Impeachment de Dilma Rousseff como Golpe de Estado.” Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas 14(2): 67-102. https://periodicos.unb.br/index.php/repam/article/view/28759.

Melo, Patricia Bandeira e Galiza, Cleide. 2014. “Alta intervenção estatal: O caso do Brasil, da Argentina e da França.” Em O Financiamento do cinema: Os níveis de intervenção estatal na produção mundial, 49-119. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana.

Mena, Fernanda. 2013. “No quintal de Kleber Mendonça Filho.” Folha de S. Paulo, 7 de fevereiro de 2013. https://m.folha.uol.com.br/ilustrissima/2013/02/1231445-no-quintal-de-kleber-mendonca-filho.shtml.

Mendes, Vinícius. 2019. “Não há como dialogar com Bolsonaro: Entrevista a Kleber Mendonça Filho.” Le monde diplomatique Brasil, 2 de setembro de 2019. https://diplomatique.org.br/nao-ha-como-dialogar-com-bolsonaro/.

Mendonça Filho, Kleber. 2018. “Uma carta aberta ao Ministro da Cultura Sr. Sergio Sá Leitão e à sociedade”. Facebook, 29 de maio de 2018. https://www.facebook.com/OSomAoRedor/posts/2030550990350852/.

__________. 2020. “Bacurau teve um orçamento de 8 milhões de R$. Filmamos 8 semanas e meia, todos foram pagos, a comida era excelente, todo mundo se respeitou e trabalhou bem. Com um milhão a mais para filmar, teria sido muito melhor e menos sofrido. Mas não tenho o que reclamar.” Twitter. 09 de maio de 2020. https://twitter.com/kmendoncafilho/status/1259282473738997766?lang=bg.

Miceli, Sergio. 1979. Intelectuais e classe dirigente no Brasil (1920-1945). São Paulo: Difel.

Milão, Diego A. P. 2019. “O tempo que vem e o campo que há no sertão de Bacurau.” Le monde diplomatique, 10 de agosto de 2019. https://diplomatique.org.br/o-tempo-que-vem-e-o-campo-que-ha-no-sertao-de-bacurau/.

Musse, Ricardo. 2019. “Sobre Bacurau”. A terra é redonda, 6 de outubro de 2019. https://aterraeredonda.com.br/sobre-bacurau/.

Nagib, Lucia. 2002. O cinema da Retomada: Depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Ed. 34.

__________. 2006. A utopia no cinema brasileiro. São Paulo: Cosac Naify.

Napolitano, Marcos e Vilaça, Mariana M. 1998. “As relíquias do Brasil em debate.” Revista brasileira de História 18 (35): 53-75. https://doi.org/10.1590/S0102-01881998000100003.

Nascimento, Débora e Veras, Luciana. 2019. “Fiz o contrário do que se esperava”. Continente, 2 de setembro de 2019. https://revistacontinente.com.br/edicoes/225/rfiz-o-contrario-do-que-se-esperavar--2.

Nogueira, Amanda M. C. 2014. A brodagem no cinema Pernambucano. Tese de doutorado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, CAC – Departamento de Comunicação.

__________. 2009. O novo ciclo de cinema em Pernambuco: A questão do estilo. Dissertação de mestrado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, CAC – Departamento de Comunicação.

Nogueira, Amanda M. Custódio e Cunha Filho, Paulo Carneiro da, org. 2016. A aventura do Baile Perfumado: 20 anos depois. Recife: CEPE.

Nogueira, Amanda e Pessoa, Gabriela Sá. 2016. “Em nova polêmica, ‘Aquarius’ recebe classificação indicativa 18 anos.” Folha de S. Paulo, 23 de agosto de 2016. https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2016/08/1806117-em-nova-polemica-aquarius-recebe-classificacao-indicativa-de-18-anos.shtml.

Oliveira, Francisco de. 2008. Critica da razão dualista; O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo.

Oliveira, Maria Carolina V. 2014. “Novíssimo” cinema brasileiro: Práticas, representações e circuitos de independência. Tese de doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Programa de Pós-Graduação em Sociologia.

Oricchio, Luiz F. Zanin. 2003. Cinema de novo: Um balanço crítico da Retomada. São Paulo: Estação Liberdade.

Ortiz, Renato. 2006. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense.

Paiva, Samuel. 2008. “Do curta ao longa: Relações estéticas no cinema contemporâneo de Pernambuco.” Em: Estudos de cinema – SOCINE, organizado por Esther Hamburger, Gustavo Souza, Leandro Mendonça e Tunico Amancio, 99-106. São Paulo: Annablume, Fapesp.

Pellegrini, Tânia. 2008. Despropósitos: Estudos de ficção brasileira contemporânea. São Paulo: Annablume/ Fapesp.

Pinto, Ivonete. 2012. “Cinema irrelevante: Uma análise do cinema nacional a partir das percepções de Jean- Claude Bernardet.” Abraccine, 7 de abril de 2021. https://abraccine.org/2013/06/18/cinema-irrelevante-uma-analise-do-cinema-nacional-a-partir-das-percepcoes-de-jean-claude-bernardet/.

Prysthon, Ângela F. 2017. “Paisagens em desaparição. Cinema de Pernambuco e a relação com o espaço.” E-Compós: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação 20(1): 1-17. https://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/1348/919.

Rabello, Ivone D. 2015. “O som ao redor: Sem futuro, só revanche?.”, Novos Estudos - CEBRAP 00(101): 157-173. https://doi.org/10.1590/S0101-33002015000100009.

Ramos, Fernão P. 2002. “Má-consciência, crueldade e ‘Narcisismo às avessas’ no cinema brasileiro contemporâneo.” Comunicação & informação. 5(1/2): 13-24.

Ridenti, Marcelo. 2010. Brasilidade revolucionária: Um século de cultura e política. São Paulo: Editora UNESP.

__________. 2014. “Caleidoscópio da cultura brasileira (1964-2000).” Em: Cultura e sociedade: Brasil e Argentina, organizado por Sergio Miceli e Heloisa Pontes, 21-71. São Paulo: Edusp.

__________. 2018. “Mudanças culturais e simbólicas que abalam o Brasil.” Plural: Revista do programa de pós-graduação em Sociologia da USP 25(1): 45-62. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2018.149012.

Rivetti, Ugo. 2020. “Cultura e política em tempos de crise.” Resgate Revista interdisciplinar de cultura 28(00): 1-21. https://doi.org/10.20396/resgate.v28i0.8658298.

Rosa, João Guimarães. 2001. Primeiras estórias. 15ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Rossini, Miriam de S. 2007. “O corpo da nação: Imagens e imaginários no cinema brasileiro.” Revista Famecos (34): 22-28.

Santana, Bianca. 2021. “Covid-19 e a população negra brasileira.” EcoaUOL, 2 de fevereiro de 2021. https://www.uol.com.br/ecoa/colunas/bianca-santana/2021/02/02/covid-19-e-a-populacao-negra-brasileira.htm.

Santos, Márcia P. Alves dos; Nery, Joilda Silva; Goes, Emanuelle Freitas; Silva, Alexandre da; Santos, Andreia B. Silva dos; Batista, Luís Eduardo; Araújo, Edna Maria de. 2020. “População negra e Covid-19: Reflexões sobre racismo e saúde.” Estudos avançados 34 (99): 225-243. Acessado em 22 de Setembro de 2021. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3499.014.

Santos, Márcia V. M. 2019. O cinema contemporâneo de Pernambuco. Tese de doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Programa de Pós-Graduação em Sociologia.

Saraiva, Leandro. 2013. Da estética da fome à estética do lixo, da alegoria da esperança à do desengano. Retrato do Brasil. Belo Horizonte: Editora manifesto.

Schwarz, Roberto. 1978. “Cultura e política, 1964-69.” Em: O pai de família e Outros estudos, editado por Antônio Cândido e Antonio Callado, 61-92. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Teixeira Neto, Wanderley de Mattos. 2018. “Kleber Mendonça Filho, ‘O som ao redor’ e a construção de uma ideia sobre o cinema Pernambucano.” Aniki: Revista Portuguesa da Imagem em Movimento 5(2): 420-436. Acessado em 15 de Agosto de 2021. https://doi.org/10.14591/aniki.v5n2.398.

Williams, Raymond. 2005. “Base e superestrutura na teoria cultural marxista.” Revista da USP (66): 209-224. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i66p209-224.

__________. 2007. “Os usos da teoria da cultura.” Em: Margem esquerda nº 9, editado por Ivana Jinkings e João A. Peschanski, 179-196. São Paulo: Boitempo Editorial.

Xavier, Ismail. 2006. “Corrosão social, pragmatismo e ressentimento: Vozes dissonantes no cinema brasileiro de resultados.” Novos estudos – CEBRAP (75): 139-155.

__________. 2021. “O som ao redor: Arqueologia do vertical moderno no Recife.” Galáxia 46(46): 1-17. Acessado em 15 de Agosto de 2021. http://dx.doi.org/10.1590/1982-2553202152911.

Publicado
2022-01-11