Filmar-se, Sendo: O tempo narrativo presente em documentários autobiográficos

Palavras-chave: Documentário autobiográfico, temporalidade, narrativa, cronologia, cinema direto

Resumo

Este artigo aborda como a noção de um presente narrativo se transpõe de maneira própria em documentários de teor autobiográfico e pessoal. Filmes nos quais cineastas-autobiógrafos buscam transpor o presente de uma experiência vivida para a narrativa a partir de metodologias imagético-sonoras sincrônicas surgem na cinematografia documentária mundial no final da década de 1960. Tais aspectos da transposição de um presente autobiográfico ainda permeiam a filmografia contemporânea e estão patentes na filmografia de diversos países. O artigo explica a transposição de aspectos do tempo presente em narrativas autobiográficas a partir de três perspectivas: (1) a cotidianidade como matéria-prima da narratividade autobiográfica; (2) a temporalidade cronológica como estrutura de referência e de apoio para a narrativa autobiográfica; (3) a interação dialógica entre cineasta e pessoas filmadas como manifestação do presente autobiográfico por meio da emersão de afetos.

Referências

Abrash, Barbara. 2007. The View from the Top: P.O.V. Leaders on the Struggle to Create Truly Public Media. Washington D.C.: American University Center for Social Media.

Agostinho, Santo. 1981. Confissões. Porto: Livraria Apostolado da Imprensa.

Bazin, André. 2018. “Ontologia da imagem fotográfica.” Em: O que é o Cinema? Trad. Eloisa Araújo Ribeiro, 27-35. São Paulo: Ubu Editora.

Cavell, Stanley. 1979 [1971]. The World Viewed: Reflections on the Ontology of Film. Cambridge: Harvard University Press.

Eakin, Paul John. 1988. “Narrative and Chronology as Structures of Reference and the New Model Autobiographer.” Em: Studies in Autobiography, ed. por James Olney, 32-41. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press.

Egan, Susanna. 1994. “Encounters in Camera: Autobiography as Interaction.” Modern Fiction Studies 50 (3): 593-618.

Felski, Rita. 2000. Doing Time: Feminist Theory and Postmodern Culture. Nova Iorque: NYU Press.

Gernalzick, Nadja. 2014. “Lives and Deaths in Photographic Tense: Temporality and Filmic Automediality After the Indexical Turn.” a/b: Auto/Biography Studies 29 (2), 225-248.

Lane, Jim. 2002. The Autobiographical Documentary in America. Madison: The University of Winsconsin Press.

Lejeune, Philippe. 2008. O pacto autobiográfico: De Rousseau à Internet. Belo Horizonte: Editora UFMG.

MacDonald, Scott. 2013. American Ethnographical Film and Personal Documentary: The Cambridge Turn. Londres e Los Angeles: University of California Press.

Pincus, Ed. 1972. “One Person Sync-sound: A New Approach to Cinema Vérité.” Filmmakers Newsletter 6 (2): 24-30.

Pincus, Ed. 1977. “New Possibilities in Film and the University.” Quarterly Review of Film Studies 2 (2): 159-178.

Ramos, Fernão Pessoa. 2012. “A Mise-en-scène do documentário: Eduardo Coutinho e João Moreira Salles.” Rebeca: Revista brasileira de estudos de cinema e audiovisual 1 (1): 16-53.

Ramos, Fernão Pessoa. 2020. “Como é que é ‘ver através’ uma fotografia?.” Eco-Pós 23 (3): 422-447.

Renov, Michael. 2004. The Subject of Documentary. Minneapolis: University of Minnesota Press.

__________. 2014. “Filmes em primeira pessoa: Algumas proposições sobre a autoinscrição.” Em: Silêncios históricos e pessoais: Memória e subjetividade no documentário latino-americano contemporâneo, organizado por Natalia Barrenha e Pablo Piedras. Campinas: Medita.

Russell, Catherine. 1999. Experimental Ethnography: The Work of Film in the Age of Video. Durham e Londres: Duke University Press.

Tonelo, Gabriel. 2018. “Os filmes e o pensamento de Ed Pincus: o Cinema Direto em direção à autobiografia.” Doc-Online 23: 129-157.

Trahair, Lisa. 2014. “Being on the Outside: Cinematic Automatism in Stanley Cavell’s The World Viewed.” Film-Philosophy 18 (1): 128-146.

Publicado
2022-01-11