PT/EN


VII Encontro Anual da AIM

10 a 13 de maio, 2017
Universidade do Minho - Instituto de Ciências Sociais

CHAMADA DE TRABALHOS

Prazo de submissão: 30 de novembro de 2016.

Consulte também a FAQ. Ou submeta a sua proposta. Descarregue em formato pdf.

 

Chamadas para Trabalhos de Grupos de Trabalho:
Cultura Visual Digital / História do Cinema Português / Cinemas em Português / Paisagem e Cinema / Outros Filmes / Teoria dos Cineastas / Narrativas Audiovisuais

 

Chamada para Trabalhos genérica:
O VII Encontro Anual da AIM terá lugar na Universidade do Minho, pólo de Gualtar, em Braga, nos dias 10, 11, 12 e 13 de maio de 2017, numa organização conjunta da AIM e do CECS - Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade. O Encontro Anual da AIM é uma conferência internacional onde todas as propostas serão submetidas a revisão por pares e serão publicadas atas em formato eletrónico.

Criada em 2010, a AIM pretende reunir em Portugal o conjunto de investigadores que têm em comum objetos e temas de pesquisa relacionados com a imagem em movimento. Com este objetivo, realizaram-se já seis encontros anuais: na Universidade do Algarve, Faro (2011), na Universidade Católica Portuguesa, Lisboa (2012), na Universidade de Coimbra (2013), na Universidade da Beira Interior, Covilhã (2014), no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (2015) e na Universidade Católica Portuguesa, Porto (2016).

Os conferencistas convidados deste Encontro, cuja presença já está confirmada, são: Catherine Grant, professora e investigadora de estudos fílmicos na University of Sussex (Reino Unido), com extensa publicação em teoria e prática de autoria em cinema e intertextualidade, editora de livros sobre world cinema, cinema latino-americano, cinema digital e estudos de média, e ensaio audiovisual; Ernest W. Adams, game designer e professor na University of Uppsala, Suécia, com uma extensa atividade profissional no campo dos jogos digitais, tendo publicado Fundamentals of Game Design (2014) e Game Mechanics: Advanced Game Design (2012) e Kim Akass, da School of Creative Arts da University of Hertfordshire (Reino Unido), onde é cocoordenadora do Media Research Group, também cofundou a revista Critical Studies in Television: The International Journal of Television Studies, contando ainda com diversas publicações, nomeadamente TV’s Betty goes Global: From Telenovela to International Brand (coeditado com Janet McCabe, 2012) ou From Here to motherwood: Motherwood in the Media (2015).


A AIM convida-o a submeter propostas de comunicação, em português, inglês ou castelhano, que não excedam os 1500 carateres (incluindo espaços), nas seguintes áreas (que poderão ser alargadas a outras): cinema, televisão, vídeo e media digitais.

As propostas para Encontro Anual podem ser submetidas por membros da AIM (inscrição gratuita) e por não-membros (taxa de inscrição de 50€, após aceitação). As contribuições poderão assumir a forma de comunicações individuais ou painéis pré-constituídos. Alguns painéis poderão ter respondentes. Os proponentes que já sejam membros da AIM terão de renovar a sua inscrição e proceder ao pagamento das quotas (30€/normal; 20€/estudante) relativas à anuidade de 2017 até 30 de novembro de 2016.

 

 

FAQ - SUBMISSÃO DE PROPOSTAS

Como se faz uma proposta de comunicação?
Uma proposta identifica, clara e sucintamente, vários elementos fundamentais:

  • a definição e delimitação do objeto/assunto da investigação a ser apresentada;
  • a relevância e pertinência académica da proposta; como é que este objeto/assunto avança o conhecimento anterior? Porque é importante?
  • a metodologia da investigação/análise; como será que esta comunicação atinge os seus objetivos?

Para além disso, resumos eficazes são bem escritos, apresentam uma versão sintetizada da comunicação a ser escrita e estão de acordo com os parâmetros exigidos (número de carateres).

 

Quem pode apresentar propostas de comunicação?

  • Cada proponente poderá apresentar apenas uma proposta de comunicação.
  • As comunicações poderão ser apresentadas por coautores, desde que um dos proponentes esteja devidamente inscrito no Encontro Anual da AIM
  • Todas as comunicações terão a duração máxima de 20 minutos, independentemente do número de coautores ou do número de comunicações por painel.

 

Como funcionam os Painéis Pré-Constituídos?
Os painéis pré-constituídos são painéis temáticos com a duração máxima de 1h45m, com um mínimo de três e, preferencialmente, um máximo de quatro comunicações, cujo temas e participantes são definidos pelos respetivos proponentes. Nos painéis pré-constituídos com três participantes, os proponentes poderão sugerir a indicação de um respondente/comentador convidado. Esse convite estará dependente da validação pela Comissão Organizadora e as despesas serão da responsabilidade dos proponentes. Cada painel pré-constituído terá um responsável, que deve responder a todas as solicitações da organização quando contactado. O responsável deve garantir que todas as propostas de comunicação que o constituem foram submetidas individualmente pelo(s) respectivo(s) autor(es), e por incluir na proposta de painel pré-constituído todas as informações solicitadas no formulário próprio. Serão privilegiados, no processo de seleção, os painéis pré-constituídos que não tenham mais do que duas comunicações apresentadas por investigadores filiados na mesma instituição de ensino superior/investigação científica.

Nota: Não serão aceites propostas de painel pré-constituído cujas informações não coincidam com as propostas de comunicação submetidas individualmente. Aconselha-se, assim, o responsável pelo painel pré-constituído a garantir que todas as propostas de comunicação que o compõe sejam submetidas prévia e individualmente, de modo a que possam propor o respectivo painel/corrigir eventuais discrepâncias, atempadamente.

O prazo para submissão de propostas termina a a 30 de novembro de 2016.

SUBMETER PROPOSTA

 

------------------

Chamada para Trabalhos dos GT's da AIM:
Como funciona esta chamada de trabalhos?
Cada chamada individual tem prazos concretos para submissão via email (contendo: nome, afiliação, título, resumo com 1500 caracteres e bibliografia com 500 caracteres). para os coordenadores. Depois da aceitação dos coordenadores, os autores submetem as propostas no formulário próprio. A aceitação final está dependente do processo de arbitragem geral do Encontro.

Data para envio de propostas aos coordenadores do GT: 15 de novembro. A aceitação interna deve ser feita antes do dia 30 de novembro. A aceitação interna não pressupõe a aceitação da proposta no Encontro.

 

GT Cultura Visual

Entre os objetos de estudo deste GT encontram-se as manifestações da cultura visual em contextos digitais e a consequente miscigenação de diferentes regimes visuais e práticas do olhar. Interessam-nos tanto as ruturas como as continuidades trazidas por transformações da produção, circulação e apropriação da cultura visual como a Internet 2.0, o cinema digital, ou os pequenos media de ecrã que ligam quotidianamente o espaço público e o privado. Privilegiamos a investigação histórica, cultural e estética das relações entre diferentes regimes de visualidade como o cinematográfico, o televisual, ou o artístico. Damos especial atenção às teorias da intermedialidade como forma de fertilizar os conhecimentos sobre novos e velhos media e convocamos os estudos de cinema, a teoria dos media, a história e a teoria da arte para investigar a cultura visual digital.

Com o objetivo de mapear o trabalho dos membros deste GT e reforçar o contacto pessoal entre eles com vista à troca de conhecimento e construção de uma rede sobre esta área, encorajamos o envio de propostas sobre os temas abaixo indicados, ou outros que cruzem os temas e métodos de pesquisa dos autores com os objetivos deste GT acima descritos:

  • arqueologia dos media
  • história das técnicas cinematográficas e televisivas
  • formas culturais nativas da Internet 2.0
  • modos de produção, exibição e distribuição digitais e a Internet 2.0
  • relocalização da experiência cinematográfica
  • teorias do dispositivo cinematográfico/audiovisual
  • ideologias da cultura audiovisual contemporânea
  • críticas da cultura participatória

Contacto para envio das propostas: Tiago Baptista - trbaptista@gmail.com

   
 

GT História do Cinema Português

Tema: A Televisão no Espaço Audiovisual Português

Descrição: A televisão tem sido um dos grandes catalisadores da mudança do espaço audiovisual português. Quer seja pela produção (de ficção, documental, ou de entretenimento), quer seja pela exibição (de cinema português ou de outro tipo de cinematografias). Essa mudança foi especialmente importante no contexto da emergência das televisões privadas. Neste contexto, gostaríamos de solicitar propostas de comunicação relacionadas com a importância da televisão no panorama audiovisual, assim como estudos de caso, tanto da produção televisiva, como das estratégias de exibição de cinema (português e não-português) nas grelhas dos canais portugueses.

Contacto para envio das propostas: ribas.daniel@gmail.com; paulomfcunha@gmail.com

   
 

GT Cinemas em português

Entre os objetos de estudo deste Grupo de Trabalho, e como potenciais temas orientadores deste CFP interno, encontram-se as questões relacionadas com os sistemas de coprodução, distribuição e exibição nas cinematografias da diáspora portuguesa, brasileira e dos países africanos de língua portuguesa.

Interessam-nos as questões relacionadas com a produção, a distribuição, os circuitos de distribuição, a exibição e a circulação destes cinemas. Especial atenção será dada ao trabalho de recolha de dados e às investigações cultural e estética sobre os novos processos de produção e de autoria que construam ligações e que informem sobre a identidade local, periférica e/ou supranacional. Todos os usos do audiovisual/cinema podem ser utilizados em todos os diferentes regimes de existência, expressividade e identidade.

As propostas deverão ser enviadas para Leandro Mendonça, leandro@vm.uff.br; Jorge Cruz, lcv01.uerj@gmail.com; e Silvia Vieira, sivieira.vieira@gmail.com
   
 

GT Paisagem e Cinema

Tema Sugerido: Paisagens da Crise

O Grupo de Trabalho 'Paisagem e Cinema' convida todos os interessados, membros e não-membros da AIM, a submeterem propostas de comunicação para a organização de um ou mais painéis temáticos no âmbito do VII Encontro Anual da AIM.

O tema sugerido para este ano são as 'paisagens da crise', isto é, a representação cinematográfica das paisagens que refletem os efeitos de alguma crise no território e nos seus habitantes. Estas imagens funcionam como metáforas ou críticas de situações limite, mostrando conflitos individuais ou colectivos, esquecidos ou silenciados. O exemplo mais evidente são as paisagens que aparecem nos filmes ligados ao actual cinema da austeridade, que expõe as consequências da crise financeira mundial iniciada em 2008.

O conceito de paisagens da crise, porém, não tem que estar limitado a esta formulação. Outras possibilidades seriam as seguintes:

 - Da 'Grande Depressão' à 'Grande Recessão': estudo das estratégias de encenação das crises do presente e do passado.
 - Do Velho ao Novo: representação do interregno entre as velhas paisagens que desaparecem e as novas paisagem que surgem.
 - Crises urbanas: representação dos processos de transformação urbana motivados por diferentes crises.
 - Crises ambientais: representação de alterações na natureza, atendendo aos seus efeitos visíveis e irreversíveis.
 - Crises pessoais, emocionais, individuais: representação de conflitos interiores através de paisagens metafóricas, mentais ou alegóricas.
- Crises imaginárias: estudos iconográficos das paisagens da crise para além do seu contexto ou seus referentes.
 - Crises de representação: alterações nas paisagens mediáticas como resultado dos câmbios de paradigma tecnológicos.

Contacto para o envio das propostas: Filipa Rosário: filiparosario@gmail.com
Iván Villarmea: ivillarmea@gmail.com
Francesco Giarrusso: giarrusso.f@gmail.com

   
 

GT OUTROS FILMES

O Grupo de Trabalho Outros Filmes convida todos os interessados, membros e não-membros da AIM, a submeterem propostas de comunicação para o painel temático que integrará o VII Encontro Anual da AIM, que se realizará na Universidade do Minho, em Braga, de 10 a 13 de maio de 2017. As propostas deverão trazer contributos teóricos, metodológicos e/ou empíricos para a investigação de filmes marginais ou não-canónicos (filmes industriais, amadores, domésticos, experimentais, publicitários, etc.), bem como para uma reflexão informada sobre os arquivos de imagens em movimento. Para além deste âmbito geral, em linha com os objectivos gerais do GT e à semelhança dos encontros anteriores, propomos também um tema específico. Aproveitando o recente lançamento da edição integral, em DVD, do Jornal Português: Revista Mensal de Actualidades 1938-1951, pela Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, o tema deste ano diz respeito aos jornais de actualidades ou cine-jornais, um dos géneros de cinema mais antigos, prolíferos e populares. Não obstante estas qualidades, as ligações que mantiveram, durante boa parte do século XX, com os regimes autoritários têm valido a estes filmes a desconfiança, senão mesmo o desprezo, dos investigadores. No extremo oposto, a facilidade com que podem ser tomados como fontes históricas ‘transparentes’ também constitui um problema. O aparecimento, relativamente recente, de estudos individualizados sobre alguns cine-jornais (o espanhol NO-DO, o argentino Noticiario Bonaerense, o Jornal Português, etc.) é encorajador. Apelamos, por isso, à apresentação de trabalhos originais, com vista a desenvolver e consolidar esta área, sob a forma de uma reflexão teórica aprofundada e empiricamente sustentada sobre este género. As propostas poderão discutir diferentes perspectivas teórico-metodológicas (históricas, sociológicas, antropológicas, dos estudos fílmicos, etc.); a relação entre os cine- jornais, a imprensa e a televisão; questões de mediação e poder; relação entre forma e conteúdo; as passagens do género entre o cinema de propaganda e o cinema engajado, etc. São particularmente bem-vindos estudos de caso originais oriundos de vários arquivos e de várias cinematografias nacionais.

Contactos para o envio de propostas: Sofia Sampaio: psrss@iscte.pt; Raquel Schefer: raquelschefer@gmail.com

   
 

GT Teoria dos Cineastas

O principal objetivo do GT "Teoria dos Cineastas" é aproximar a teoria do cinema da reflexão dos próprios cineastas no seu contributo para compreenderem quer a sua própria obra, quer o cinema. Pretendemos estimular uma teoria do cinema que tenha como referência fundamental e principal fontes diretas, ou seja, os filmes e todas as manifestações orais e escritas dos cineastas. E entendemos que o conceito de cineasta abrange não apenas o realizador, mas todos os que contribuem para a criação cinematográfica como atores, argumentistas, montadores, diretores de fotografia, etc. O objetivo de estudar o cinema a partir dos cineastas e integrar a teoria do cinema com a teoria que cada cineasta elabora assume-se como uma alternativa ao apoio que a teoria do cinema tem ido buscar a outras áreas disciplinares. Pretendemos, acima de tudo, estimular e testar a novidade e originalidade que o estudo teórico sobre o cinema pode receber da reflexão dos próprios cineastas.

Sugestão de tópicos:
- metodologia(s) para a elaboração da teoria do cineasta
- relação do cineasta com o espectador
- modo como os cineastas se influenciam mutuamente
- conceitos dos cineastas que contribuem para discutir problemáticas da teoria do cinema
- processo criativo dos cineastas

Contacto para o envio de propostas: baggioeduardo@gmail.com

   
 

GT Narrativas Audiovisuais

Entre a apologia e contestação da narrativa clássica, o experimentalismo formal, a metanarrativa e a receção pública e perceção crítica, abre-se um amplo leque de pesquisa que passa pelas múltiplas abordagens à narrativa visual, oriundas de diferentes campos do saber como a Narratologia, os Estudos Fílmicos, a Filosofia, a Psicologia, os Estudos Culturais, a Neurocognição, etc. A construção deste saber poderá se radicar em abordagens teóricas como o estruturalismo, a semiótica, a fenomenologia, o desconstrutivismo ou a psicanálise, entre outras, ou na sua aplicação prática nas várias áreas criativas da imagem em movimento, como a escrita de argumento, o cinema, a televisão, o ensaio visual, o documentário, os videojogos, etc. Este grupo de trabalho pretende constituir-se como um fórum de debate sobre modos de pensar e construir as múltiplas possibilidades de narrativas visuais com vista a entender o seu impacto cultural, social, emocional e artístico.

Exemplos de tópicos incluem (mas não se limitam a):
- Estruturas narrativas (ex.: novas formas narrativas, abordagens ontológicas da narrativa)
- Processos de construção da narrativa (ex.: construção e desconstrução, da ideia à narrativa, argumento como expressão da história)
- Elementos das narrativas (ex.: premissa, conflito, ações, personagens, relações entre personagens, storyline, tempo)
- Narrativa em contexto: cultura, sociedade, público, meio artístico (ex.: narrativa como reflexo cultural, narrativa visual como construtora de discursos sociais)
- Relação entre a narrativa e outras dimensões da obra (ex.: autor, género)
- Narrativa em diferentes media

Contacto para o envio de propostas: chinita.fatima@gmail.com

 

O prazo para submissão de propo stas termina a a 30 de novembro de 2016.

SUBMETER PROPOSTA

 

[contato: encontro@aim.org.pt]